Archives outubro 2016

Saiba em qual revista publicar seu artigo científico

Olá, tudo bem? Você almeja submeter seu trabalho científico a uma revista e não tem ideia pra qual? Pois vou te apresentar uma ferramenta que vai te ajudar a tomar essa decisão: o Edanz Journal Selector.

edans-journal-selector

Ele é bem fácil de usar, basta inserir na caixa de busca as palavras-chave, ou título, ou um pedaço do resumo do seu trabalho, e logo você obterá uma lista de revistas que publicam nas áreas relacionadas. Fiz um teste com um pedaço do resumo da minha monografia do MBA, repara o que consegui:

edans-journal-selector-1

Recuperei uma lista com 500 títulos de {possíveis} revistas para submeter meu trabalho! Ok.. 500 é muito, mas a partir daí você filtra os primeiros resultados, e avalia se público-alvo da revista vai se interessar pelo seu trabalho, assim é bem provável que ele seja aceito… {além de outros critérios, claro!}. 😉

Agora deixa eu te dizer uma coisinha… Reparou que na figura acima, do lado direito tem um filtro? Pois bem… selecionei ali a opção with open access options e ela me levou pra um carrinho de compras:

Ou seja, entendi que o que está gratuito são as informações sobre os títulos recuperados na busca, se quiser filtrar mais e ter uma “consultoria” para escolher o título mais adequado pra publicar seu trabalho você precisará desembolsar uma grana… {essa parte é ruim, né?}.

Mas a lista gratuita de resultados que ele apresenta tem informações valiosas, tais como o objetivo da revista e o fator de impacto (coletado da JCR). Isso já vai ajudar você, não tenha dúvidas. 😉

Se você tem outras dúvidas, já sabe: grita nos comentários. 🙂


Conheça uma das publicações médicas mais acessadas do Brasil

Oi! A fonte de informação que trago hoje é beeemmmm específica, e será muito útil para os médicos, principalmente pros que estão se especializando em pediatria… esta daí ó:

2017-pediatria-ambulatorial

Trata-se da 2a edição do livro Pediatria Ambulatorial {a 1a edição é de 2008, e foi uma das mais acessadas publicações médicas do Brasil}, escrito por

Ler mais


Duas dicas para citar uma fonte sem autoria

OiÊ! Tranquilidade? Você tem um emaranhado de fontes pra citar em seu trabalho e algumas delas não tem autoria? Então este post vai te servir.

Pra citar qualquer fonte de informação, com ou sem autoria, a principal dica é: se ligue no primeiro elemento da referência dessa fonte. Se você formatar a referência fora do padrão, correrá também o risco de citá-la fora do padrão.

Logo, se o sistema de citação que você está utilizando é o numérico não precisará se preocupar com a citação. Mas se o sistema de citação é o autor-data, se ligue nestas dicas pra não cometer equívocos ao citar fontes sem autoria:

1) Mencione a primeira palavra do título da fonte em CAIXA ALTA, seguida de reticências.
Ex.: (ATENTADO…, 2001)

2) Se a primeira palavra do título for um artigo (definido ou indefinido) ou um monossílabo também ponha a segunda palavra em CAIXA ALTA, seguida de reticências.
Ex.: (NOS ARREDORES…, 1988)

Fácil, né?! Não vai errar! 🙂


4 conselhos que ajudarão você a decidir se deve citar a Wikipédia

wikipedia

Olá! Sem dúvida você já deve ter ouvido falar ou recorrido à Wikipédia pra tirar uma dúvida rápida ou ficar por dentro de algum tópico de seu interesse. Acertei? Pois vou te dizer: acho ótima essa fonte! Sempre vi com bons olhos as plataformas de conteúdo colaborativo… e a Wikipédia traz um número gigante de verbetes que ajudam a esclarecer muita coisa, pra muita gente.

O mais legal e assustador é que ela tá ali: de graça na web pra quem quiser consultar! Legal porque o acesso é absolutamente simples {intuitivo} e democrático. Assustador porque qualquer pessoa do planeta pode colaborar com o conteúdo {que pode ser confiável ou não}, desde um especialista à um simples curioso. {Doideira, né?}

Mas há uma certa resistência à aceitação de citações da Wikipédia em trabalhos acadêmicos. Enquanto muitos não defendem, outros defendem… publicando, inclusive, artigos científicos em revistas renomadas, como o da Nature em 2005 que a comparou com a Encyclopædia Britannica. {Crês nisso? Tá aqui, ó.}. Saca esta citação do verbete em português da própria Wikipédia sobre sua confiabilidade:

Em dezembro de 2005 a revista Nature, da Inglaterra, realizou uma pesquisa para comparar uma amostra de artigos da Wikipédia e da Encyclopædia Britannica no tocante à sua precisão. A amostra incluía 42 artigos sobre tópicos científicos, incluindo biografias de cientistas bem conhecidos. Os artigos foram comparadas em termos da acurácia por revisores acadêmicos que permaneceram anônimos - uma prática comum para a análise de artigo jornalísticos. Segundo a análise, um artigo da Wikipédia continha em média 4 incorreções factuais, omissões e afirmações falsas, enquanto que um artigo da Britannica tinha em média 3. Foram encontrados apenas 4 erros graves na Wikipédia, e 4 na Encyclopædia Britannica. A conclusão do estudo foi de que: "a Wikipédia chega perto de Britannica em termos da precisão dos artigos de ciência",[3] embora os artigos da Wikipédia estivessem muitas vezes "mal estruturados".[3]

A Encyclopædia Britannica expressou preocupação, levando a Nature a liberar mais documentação de seu método de pesquisa.[4] Com base nessas informações adicionais, aEncyclopædia Britannica negou a validade do estudo da Nature, afirmando que era "fatalmente falho".

Podes conferir o verbete em inglês que traz mais informações, e referenciadas! <3

Sabendo de tudo isso, você ainda pode se perguntar: “E aí? Cito ou não cito a Wikipédia na minha monografia?”. Veja bem… Para minimizar problemas, siga estas orientações:

Ler mais


Conheça os sistemas de citação que você pode usar em sua monografia

Oi! Você já ouviu falar em sistema de chamada para citação? Pois é, criatura, tem de tudo nas normas, mas esse sistema não é nenhum bicho. Ele mostra como a citação deve ser indicada no texto da sua monografia, correlacionando-a com a referência, e você deve escolher um e usá-lo em todo o texto.

Os tipos mencionados na 10520 {ABNT} são o autor-data e o numérico. Nas áreas da saúde é muito comum usar o sistema numérico, já o autor-data é mais utilizado nas demais áreas. Deixa eu te explicar como usar cada um..

SISTEMA NUMÉRICO – À primeira vista é o sistema mais fácil, pois não é necessário mencionar a autoria da fonte no corpo do texto. Você precisa numerar as citações em ordem crescente (consecutivamente) e listar as referências no final do trabalho ou do capítulo. A numeração pode vir entre parêntesis ou sobrescrita, no final do parágrafo ou frase.
Ex.: Pesquisadores de Harvard definiram bem-estar como … (13).
Dicas plus >> (a) Se precisar citar mais de uma fonte no mesmo parágrafo separe-as por uma vírgula; (b) Use um gerenciador de referências (tipo Mendeley, EndNote etc..) se precisar inserir uma referência nova no meio de outras já citadas, assim você não precisará mudar toda a ordem das citações na munheca. {É chato. ¬¬}

SISTEMA AUTOR-DATA – No corpo do texto você deve citar o responsável pela obra citada, seguido do ano de publicação. E esta menção pode ser feita dentro de parêntesis, em CAIXA ALTA e no final do parágrafo; ou fora de parêntesis incorporado ao texto (o ano deve vir dentro do parêntesis). Neste sistema você precisa saber diferenciar a citação direta da indireta, para saber mais saca este post.
Exs.: (ALMEIDA, 2016) / Segundo Almeida (2016)… / (ALMEIDA, 2016, p. 10) / Segundo Almeida (2016, p. 28).

É por aí. Se tiver dúvidas grita nos comentários. 😉


Conheça as principais classificações da endoscopia digestiva em um clique

Oi! Se você é profissional ou estudante na área de Endoscopia Digestiva esta fonte de informação pode te servir bastante:

Trata-se do aplicativo Classificações Endoscópicas {para smartphones e tablets}, criado para auxiliar profissionais e estudantes numa consulta rápida às principais classificações endoscópicas gastrointestinais, democratizando o acesso à informação nesta área.

Foi desenvolvido pelos profissionais do IMIPThiago Guimarães Vilaça, Gustavo Carneiro Leão Filho e Marcos Paulo Gomes de Mattos, com a cooperação de estudantes da Faculdade Pernambucana de Saúde e revisão de médicos renomados da América Latina.

Ele é totalmente gratuito e sua usabilidade é bastante amigável, mas você precisa estar conectado à internet para acessar os conteúdos. Está disponível nas lojas dos sistemas operacionais Android e IOS, mas também dá para acessá-lo pelo desktop.. por aqui. 😉


6 dicas valiosas para formatar a CAPA da sua monografia

Oiieerrr… você está prestes a entregar seu trabalho e vai normalizá-lo pela ABNT? Então você precisa fazer um elemento que a 14724 exige: a capa. Presta atenção nos elementos que ela deve ter:

Nome da instituição. Não é obrigatório, mas é bom mencionar.
Seu nome. Tem que ter {de todo jeito} seu nome completinho.
Título. Procure um título breve que seja possível identificar de cara o assunto principal.
Subtítulo. Use-o se realmente for um elemento importante para identificar seu trabalho. Descreva-o logo após o título e precedido de dois pontos {:}.
Número do volume. Se seu trabalho tiver mais de um volume, deixe esta esta informação bem visível.
Local. Registre o nome a cidade da instituição na qual seu trabalho foi apresentado. Se a cidade for homônima {tipo São Paulo, Rio de Janeiro...}, use a sigla do Estado. Assim: SÃO PAULO, SP.
Ano. Registre o ano em que você entregou seu trabalho.

Agora presta atenção nestas 6 dicas {valiosas!} pra você não correr o risco de formatar sua capa equivocadamente:

Ler mais


Conheça uma fonte útil para as áreas de linguística e comunicação

Olár, tudo bem?! Hoje é nosso 1° post da categoria infonormas pelo mundo {pra entender melhor sobre esta novidade clique aqui}.

Pois bem, a Anne nos trouxe hoje uma dica de fonte de informação que servirá bastante pra quem estuda linguística, línguas em geral e comunicação. Este livro aí, ó:

le-langage-introduction-aux-sciences-du-langage

Le langage. 2010. 256 p. ISBN 9782361060022

É uma publicação de introdução à ciência da linguagem, escrita de forma colaborativa por vários especialistas: linguistas, filósofos, psicólogos, neurocientistas e historiadores, que buscam responder questões como:

O que é a língua e como ela funciona?
Quais as relações entre linguagem e pensamento?
Como as crianças adquirem a língua?
Como se formam e evoluem as línguas?
De onde vêm o significado das palavras?

Além do resumão que ele faz sobre toda a história da linguística {desde o início e quando ela surgiu como uma ciência}, essa fonte te ajudará a se familiarizar com termos técnicos da língua francesa.

Apesar de ser um livro teórico, a linguagem é bem leve, traz metáforas que fazem com que pessoas de outras áreas entendam, mesmo com pouco ou nenhum conhecimento prévio sobre o assunto. 😉 {Fiquei até com vontade de ler! :)}

Você pode conferir o sumário dele aqui. Ele está escrito em francês e não tem tradução para o português, mas se você não domina o idioma tenho uma dica: compra a versão eletrônica {aqui}, vai no google tradutor e pei! ArraZZzzaaa! Não é uma tradução fidedigna, mas quebra um galho. 🙂


infonormas pelo mundo

Oi! Tudo bem? Hoje quero apresentar a você uma novidade do blog: a categoria infonormas pelo mundo. A ideia surgiu quando me dei conta que tenho amigas estudando fora do Brasil.. daí comecei a me questionar…

Que fontes elas estão usando pra estudar?
Será que elas precisam fazer monografia nos moldes da nossa?
Que normas precisam usar?
E na universidade tem repositório científico?
E o acervo, como é?
Será que eles têm um portal como o da Capes?

Quantas perguntas, né?! Movida por elas, convidei as amigas Anne e Jennifer pra colaborar com o infonormas, apresentando-nos fontes e normas dos lugares que elas estão {França e Uruguai, respectivamente}, e elas toparam na hora. {Valeu, minhas flores! <3 <3}

Pra conhecer um pouco mais sobre elas, clique aqui.

Amanhã sairá o primeiro post com uma dica da Anne. Não perde! 😉